Encerramos na Wylinka um importante ciclo: a primeira edição brasileira do Global Innovation Policy Accelerator. O programa, muito falado por aqui, nas redes da Wylinka, foi desenvolvido pelo NESTA para capacitar influenciadores e criadores de políticas públicas e potencializar políticas de inovação, tornando-as mais inclusivas e eficazes. O Projeto já foi executado em 14 países e, no Brasil, foi realizado em parceria com a gente! : )

Desafios e visão geral

O programa foi desenhado tendo por base dois principais aspectos: (i) quais competências um time de formuladores de políticas públicas deve possuir; e (ii) trazer os princípios do design na formulação de políticas públicas de inovação (falamos sobre isto aqui). Com estes princípios, selecionamos um grupo de aproximadamente 30 pessoas, divididas em seis times diferentes, cada um focado em um desafio do ecossistema de inovação brasileiro. Os times foram formados por agentes de várias instituições, como ministérios, fundações de apoio a pesquisa, bancos de desenvolvimento, escolas de governo, todos com um importante papel do desenvolvimento da inovação brasileira.

Ao todo, entre etapas de planejamento, estudos do ecossistema, seleção de participantes e ações de desenvolvimento, o programa teve a duração de 15 meses. Dentre estes meses, tivemos duas imersões no Reino Unido, promovendo uma interação extremamente rica, onde os participantes conheceram as melhores práticas e instituições atuantes no sistema de inovação britânico. Além disso, foram mentorados pela equipe do NESTA e de importantes instituições como a Oxentia, uma agência de inovação da Universidade de Oxford, e agentes da Universidade de Manchester, para aplicarem estes aprendizados no contexto nacional.

Encerramento do programa em Brasília

No final de setembro, tivemos o encerramento do programa, momento de celebrar todas as conquistas e resultados alcançados e, principalmente, compartilhar os aprendizados com a comunidade. Para isto, criamos um momento especial, o Fórum “Colaboração UK-Brasil para políticas de inovação”.  O fórum, realizado em Brasília, reuniu especialistas em políticas de inovação brasileiros e de outras partes do mundo. Entre eles, estiveram presentes Niraj Saraf, Gerente do Programa Fundo Newton, do Innovate UK (entidade que financia a realização do programa), Marieke Goettsch, do Innovation Growth Lab do NESTA, e o Professor da Universidade de São Paulo e referência Nacional em desenvolvimento de ecossistemas de inovação, Professor Ary Plonski. Com estes convidados, tivemos um overview sobre as melhores ações em desenvolvimento de políticas públicas para a inovação, e podemos entender melhor como medir e avaliar os seus impactos.

Além destes convidados singulares, tivemos um importante momento no fórum: a apresentação dos resultados de cada um dos seis times do programa. Cada um deles teve a oportunidade de subir ao palco do evento e compartilhar sua jornada, desafios, aprendizados e conquistas. E tendo na plateia um grupo seleto de convidados, foi mais uma oportunidade que tivemos para replicar e reverberar os impactos do programa.

E para vocês conhecerem um pouco mais de cada projeto desenvolvido, trouxemos aqui as seguintes informações: o nome do time (para criar um senso de pertencimento e comunidade, cada time foi batizado com um nome), as organizações participantes em cada time, o desafio inicial proposto e a solução desenvolvida.

TIME 1 – INNOVATION IS MASSA

Entidades participantes: Porto Digital, Fundação de Apoio a Ciência e Tecnologia de Pernambuco (FACEPE), Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação Profissional de Pernambuco (SECTI) e Serviço Brasileiro de Apoio a Micros e Pequenas Empresas (SEBRAE).

Desafio Inicial: Aumentar a competitividade do estado de Pernambuco.

Solução proposta: Plano de melhoria tecnológica individualizado implementado em empresas, a partir de suas necessidades, com base nas competências do Sistema Local de Inovação.

TIME 2 – InovUP

Entidades participantes: Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Inovação do Mato Grosso do Sul (Fundect), Escola de Governo de Goiás, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG).

Desafio Inicial: Fortalecer a Interação Universidade Empresa.

Solução Proposta: Um programa para envolver estudantes de graduação em projetos de pesquisa e desenvolvimento entre pesquisadores da academia e empresas. (Escrevemos sobre este projeto aqui)

TIME 3 – Bind the Gap

Entidades participantes: Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia (FORTEC), Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (FAPERGS) e Ministério da Economia (ME).

Desafio Inicial: Fortalecer a Interação Universidade Empresa.

Solução proposta: Um programa para incentivar pós graduandos a ingressarem no mercado com suas tecnologias.

TIME 4 – Producers Of Change

Entidades participantes: Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e Centro de Inovação para a Educação Brasileira (CIEB).

Desafio Inicial: Interação entre agências focada em Inovação Social.

Solução proposta: Desenvolver um kit de ferramentas para inovação social em saneamento e desta forma apoiar outras empresas e o governo a apoiar a inovação social em seu setor.

TIME 5 – Ibirá-Puera

Entidades participantes: Agência de Transporte do Estado de São Paulo (ARTESP), Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (SABESP) e Prefeitura de São Paulo.

Desafio Inicial: Como elaborar contratos públicos para transformação urbana e cidades inteligentes.

Desafio proposto: Como podemos construir um processo de aquisição enxuto, fácil de usar, adaptável e orientado a desafios para inovação, que engloba o desenvolvimento de soluções e uma possível compra pelo governo.

TIME 6 – Edupreneuras

Entidades Participantes: Parque Tecnológico de Ribeirão Preto (SUPERA) e Ministério da Economia (ME).

Desafio Inicial: Educação Empreendedora.

Solução proposta: Como podemos incentivar as pessoas e as empresas a se engajarem no aprendizado contínuo e no desenvolvimento de habilidades, a fim de termos uma combinação mais adequada de pessoas e empregos, e os níveis de produtividade, renda e realização podem aumentar.

Cada um destes times passou por uma jornada própria ao longo destes 15 meses. Alguns destes times já estão testando suas soluções. Outros, buscando formas de captar recursos e executar as soluções. O que eles possuem em comum é que saem do programa fortalecidos e mais preparados para produzirem políticas e ações de inovação mais inclusivas e de maior impacto. E a gente finaliza esta etapa com a certeza de que existe ainda muito a ser feito e que soluções como esta, do GIPA, tem um poder incrível de multiplicar impacto. E você? Acredita neste poder? Vem conversar com a gente? Quem sabe a gente não consegue juntos realizar outros GIPA’s pelo Brasil!